THOUSANDS OF FREE BLOGGER TEMPLATES

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Tudo em que você vai - sim, você vai - não só não melhorar, mas piorar no ano que está por vir

Este expurgo faz parte da minha publicação mais recente "Mal-humorados, um guia para com eles".
É longo PARA OS PADRÕES DE INTERNET e eu não garanto a sua satisfação ao final da leitura.
Ah, sim, minha saúde fortaleceu. Polar e Amoxicilina fazem um BELO TRABALHO. Na Bolívia não tínhamos tanta tecnologia...

Tudo em que você vai - sim, você vai - não só não melhorar, mas piorar no ano que está por vir


Primeira modalidade:
Dieta

Cenário da resolução:

O bacanal gastronômico do Natal recém terminou e você, com o estômago se virando como pode pra processar aquele bolo uniforme que contém, entre outros, peru, salada de batata com maionese, espumante barato, gelatina de uva, farofa industrializada, cebolinha em conserva e cerveja ruim, jura - sim, você jura e por Deus, ainda por cima, que só lhe perdoa porque sabe que sua imbecilidade é um mero erro da Ordem - que vai fazer uma dieta forte - e dá muita ênfase na palavra "forte" - para, assim, perder todos aqueles quilogramas que vossa mercê agregou - e não, não foi em musculatura - desde que saiu do colégio.
Obviamente, como a ceia da virada de ano está logo ali, você decreta que a Nova Ordem Alimentar entrará em vigor somente em Janeiro.

Como você fracassa:

É claro que sobra comida da ceia da virada de ano e você acaba por comer o que sobrou não só no primeiro, mas no segundo dia do ano.
Deprimido pela falta de controle - apesar de repetir pra si mesmo que só o fez pensando nas pessoas famintas da África, pensamento este de uma hipocrisia tamanha que o inferno passa a ser seu destino - você, ainda assim, decide subir numa balança, só pra conferir se as festas de final de ano lhe foram tão prejudiciais assim.

Enfim, o porquê você se torna ainda pior

Cinco quilos mais pesado, sua sensação de fracasso é tão avassaladora que decide deixar tudo como está. E, se agora o caminho até os cem quilos é mais curto que o caminho até os 80, é um sinal dos céus, para que prossiga.

E passa a comer feito um mamute...
... esquecendo, pra sempre, a fome na África.

Segunda modalidade
Exercícios físicos

Cenário da resolução

- Lurdinha (Lurdinha, no caso, é você) a sua prima, Denise, vai passar o reveillon conosco.
- Pôxa, faz tempo que não a vejo... será que ela ainda é gordinha?
- Não sei... a mãe dela falou que ela fez regime há uns anos...
- (interrompendo) Ah, mãe, toda a gorda faz regime e continua gorda...

Dias depois

- Lurdinha, a Denise chegou!

Você vai ver e se depara com uma pessoa irreconhecível. Sim, ela é mais bonita do que você. Sim, ela é mais magra do que você.

Após passar a noite se remoendo de inveja, toma a decisão:

- A partir de amanhã, dois quilômetros de caminhada todos os dias. E tenho dito!

Como você fracassa

Bem que você tenta, mas anos de sedentarismo têm o seu preço. Depois de três dias, seus joelhos, costas, pés e panturrilhas doem tanto, mas tanto, que caminhar até o ponto de ônibus para ir trabalhar torna-se uma atividade quase que impraticável.
A sensação de desconforto muscular só cessa totalmente depois de duas semanas. Você é uma guerreira e tenta novamente.
Desta vez o período de paralisação é ainda maior.
Sua carreira de atleta é encerrada.

Enfim, o porquê você se torna ainda pior

Você se conhece o suficiente pra saber que comeu uns docinhos "por conta", pois queimaria calorias nos exercícios, etc.
Parou com os exercícios, mas não parou com os docinhos.
Agora, além de mais pesada - embora ainda não gorda - você se tornou uma pessoa mau-humorada e cheia de inveja do alheio (sobretudo da sua prima Denise, de quem finge ser amiga a todo o custo).
Além de tudo você se tornou uma pessoa dissimulada.

Ah, sim, este chocolate light que você está comendo agora vai, sim senhora, contar na balança, mesmo que ninguém esteja vendo!

Terceira modalidade
Estudos

Cenário da resolução

Final de semestre - e de ano - da faculdade. Você ficou de exame em seis matérias, ou seja, em todas.
Além do mais, precisa entregar um trabalho que ficou pendente desde a terceira semana do semestre e que você, pra variar, foi empurrando com a barriga.

Após estudar desesperadamente e aproveitar os momentos de descanso para realizar o supramencionado trabalho, você passa em todas (muito embora em uma delas tenha contado com a simpatia daquele professor que, pra sua sorte (?), gostou do formato da sua bunda.

Você desabafa com seu amigo, Eustáquio:

- Chega! Esta é a última vez que passo este desespero no final do ano! Chega!
- Sei...
- Você vai ver, Eustáquio, vou abaixar a cabeça e estudar, está bem?
- Sérgio (substitua Sérgio pelo seu nome), nos conhecemos desde quando mesmo?
- Sei lá... deixa ver... oitava série?
- Exato! Daqui a um ano nos formaremos e desde o primeiro grau eu te ouço jurar que parará de empurrar com a barriga.
- Quer apostar? Quer apostar?
- (...)
- Póóó, póó, cocoricóóó!
- Pára com isso, cara, não quero ganhar nada desonestamente...
- Cocóricóóóóóóó!
- Quinhentos reais!
- (...)
- (sorriso estampado na cara de Eustáquio)
- Fechado.

Apertam as mãos

Como você fracassa

Obviamente não é necessário esperar até o final do ano para contemplar a derrota em toda a sua essência e magnificência. Estamos na quarta semana de aula e você está com todos, eu disse, todos, os trabalhos atrasados. Não é preciso ser um gênio pra saber que o panorama não se alterará no decorrer do ano...

Enfim, o porquê você se torna ainda pior

Você, como que num ato de desespero, tenta convencer Eustáquio - seu amigo de mais de década - que a aposta não era a sério. Eustáquio discorda e afirma que a idéia da aposta não foi dele, mas sua. Você xinga Eustáquio. Eustáquio dá-lhe as costas. Você xinga a mãe do Eustáquio. Eustáquio ignora-o. Você resolve, mesmo depois de 3 anos, contar que comeu a irmã do Eustáquio. Eustáquio volta e quebra seu nariz com um soco violento.

Agora, além de continuar empurrando as coisas com a barriga, precisa correr atrás do tempo perdido em que ficou hospitalizado.
Seu melhor amigo lhe odeia e já mandou avisar que, ou paga os quinhentos, ou ele lhe quebra as pernas.

E, como você gastou toda a sua grana em despesas médicas, está já começando a pensar em roubar as jóias da mãe que pertenceram à sua avó.
Pois o Eustáquio, dizem, está treinando Muay-Thay.

Prólogo

Muitas outras são as modalidades de resolução em que você pode se tornar - e de fato se torna - um indivíduo ainda pior no ano que adentra.
De fato, eu tenho muitas outras categorias a mencionar, mas não o faço por duas razões.
Sua tolerância para leituras mais longas (textos cujas extensões territoriais sejam superiores a uma folha A4, espaçamento duplo, fonte tamanho 16) encontrou esta preguiça que não lhe quer abandonar e eu ainda tenho respeito pela vadiagem alheia.

Claro, e porque uma de minhas resoluções para o ano é ser menos preguiçoso.

2 comentários:

Erica Ferro disse...

Ah, cara!

Muuuito, muito boa essa crônica!
Adorei mesmo.

Você escreve de um modo tão leve, que a gente devora o que você escreve em dois tempos.

Parabéns!

Um abraço.

Ana Seerig disse...

Acho ótima essa tua crônica, uma das que mais gostei no teu livro, se bem que é difícil falar, todas são boas...